top of page

Resultados da busca

70 itens encontrados para ""

  • Natalício de Nelson Rodrigues

    Hoje lembramos o nascimento do versátil escritor e polemista Nelson Rodrigues (1912-1980). Logo teremos algo sobre esta figura muito relevante no cenário intelectual brasileiro nas edições de nosso informativo.

  • Parabéns ao "O Leitor"

    Em julho de 2021 publicamos a primeira edição deste informativo literário, com o objetivo claro de ser mais uma manifestação pública e acessível de divulgação da literatura, focando claramente no necessário hábito de ler constantemente. Estamos no 3º ano de existência, e não faltaram desânimos e dificuldades, mas apesar de todas as desventuras que passamos e que porventura iremos de passar, o anseio por compartilhar este amor necessário pela arte literária ultrapassa nossas próprias dificuldades. A todos que me leem neste momento, peço a gentileza de compartilhar os links deste site, especialmente da publicação mais recente, a fim de promover algo tão fundamental para a formação cultural e intelectual do ser humano. Obrigado, e avante nas leituras!

  • Euclides de Cunha, de "Os Sertões"

    Em um dia como este, nascia Euclydes Rodrigues Pimenta da Cunha (1866-1909), jornalista e escritor. Sua obra mais importante, publicada em 1902, “Os Sertões”, narra os acontecimentos da guerra de canudos (1896-1897), no interior da Bahia, liderada por Antônio Conselheiro (1830-1897), personagem apresentado de diversas maneiras por simpáticos e antipáticos a sua posição durante o fim do regime monárquico constitucional no Brasil.

  • Nota de repúdio a ABL

    Na função de Diretor Geral e responsável pela idoneidade deste informativo literário, reconhecendo necessário nossa inserção no cenário cultural e social de nosso país, repúdio em meu nome e de toda a Equipe deste órgão independente de cultura, a recente publicação realizada pelo perfil da Academia Brasileira de Letras (ABL) na rede social Instagram. É notória a importância para cultura literária brasileira desta casa fundada por Machado de Assis, e por isso deve estar imune a qualquer usurpação em vista de manifestações político partidárias revestidas de simples comemoração de agraciamento. Comemorar o recebimento de apoio e reconhecimento de órgão público não pode ser motivo de desqualificação partidária a cerca de governo anterior que regia-se por visão política legítima embora divergente da atual, e assim deveriam manifestar-se todas as instituições que pretendem existir acima das diferenças de pensamento, conforme os ditames de uma democracia. É lamentável o que se assiste, e espera-se maior sabedoria dos gestores de tais instituições. Link para a postagem da ABL : https://www.instagram.com/p/Cum8N5OgT3K/

  • Nota de falecimento

    Faleceu ontem, em Paris, o escritor Milan Kundera. Nascido na Tchecoslováquia, em 1929, Kundera se destacou pelo seu envolvimento na Primavera de Praga - movimento que buscava trazer maior liberdade política ao país centro-europeu e que logo foi reprimido por forças militares soviéticas. A Primavera de Praga é o pano de fundo em que desenvolve a narrativa de “A insustentável leveza do ser”, romance mais conhecido de Milan Kundera, publicado em 1984. O livro foi escrito em francês, depois de o autor ter deixado a Tchecoslováquia e se exilado na França. +Milan Kundera (1929-2023)

  • As "fantasias" na literautra

    Estamos percorrendo um caminho que temos consciência de que não poderemos alcançar um fim, pois não se trata de um caminho de tijolos amarelos, um caminho marcado com farelos de pães, nem mesmo qualquer túnel que com um fim glorioso. Estamos falando de literatura universal, que significa muito mais do que lembrar datas e nomes que entraram para o calendário anual da biblioteca humana de criação imaginativa. De fato, estamos num caminho onde só podemos continuar em frente, e assim acabamos percebendo a grandiosidade do horizonte que vai crescendo diante de nós, como uma imensa cortina de teatro sem fim que vai se descortinando revelando inúmeros elementos da narração e escrita humana. Diante disso, nosso humilde informativo entende que não pode ficar somente nos louváveis escritores de língua portuguesa, como José Lins do Rego que hoje encontramos por aqui, nem mesmo somente em nosso Patrono. Assim, a partir desta edição compartilharemos lugar com os bravos escritores de outras línguas e culturas. E pensamos em começar por alguém muito conhecido da nossa comunidade de leitores jovens em idade e espírito. José Lins do Rego e J. K. Rowling me faz pensar na fantasia, característica presente quase fundamentalmente no estudo literário dos escritores em suas obras. Um que usa do pensamento “fantasioso” para retratar e fazer refletir sobre uma realidade histórica de um determinado povo, o outro que usa desta habilidade para envolver o espírito humano em sentimentos valorosos e importantes, numa realidade paralela a nossa crua e trabalhosa vida “trouxa”. Estas “fantasias” na literatura não desaparecem dos livros, seja qual for o nome do escritor.

  • Sérgio Buarque de Holanda

    No dia 11 de julho de 1902 nascia o historiador, tradutor e escritor Sérgio Buarque de Holanda, que ajudou a organizar a importante História Geral da Civilização Brasileira (1961) e do clássico Raízes do Brasil (1936). Obras de Sérgio Buarque Raízes do Brasil (1936) Cobra de Vidro (1944) Monções (1945) Antologia dos Poetas Brasileiros da Fase Colonial (1952) Caminhos e Fronteiras (1957) Visão do Paraíso (1959) Do Império à República (1972) Tentativas de Mitologia (1979)

  • A dolorosa tarefa

    Diante da imensidade literária que pouco a pouco vamos conhecendo e tentando abarcar, é inevitável o surgimento da mais dolorosa tarefa, a de que dispensar a qual escritor ou obra o tempo que dispomos para destacar em nosso informativo literário e também neste espaço virtual. Uma tarefa dolorosa, mas que revela em sua grandiosa dificuldade uma beleza ímpar enquanto manifestação tangível da capacidade intelectual humana, e de nossa criatividade em favor da própria vida humana. Mesmo o leitor mais principiante neste louvável hábito de ler, defronta-se vez por outra diante desta dificuldade que não deixa de manifestar-se com agradável insistência.

  • O inigualável Machado de Assis

    Machado de Assis se encontra em nossa galeria de escritores consagrados pela imortalidade das obras, e por isso não podemos de lembrar do dia em que este escritor veio ao mundo para mais tarde contribuir imensamente para a cultura literária brasileira. Foi no dia 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro que nascia Joaquim Maria Machado de Assis, e que viria a se tornar um dos escritores mais célebres e importantes do universo literário brasileiro. Se por acaso nunca leu alguma obra deste escritor, não perca mais tempo e confira algumas dicas de O Leitor. Ressurreição (1872) Memória Póstumas de Brás Cubas (1881) Dom Casmurro (1899) Contos Flumineses (1870) O Alienista O Espelho

  • Traição? Capitu e Dom Casmurro

    Mesmo depois de muitas décadas, volta-se ao mesmo questionamento quando o assunto é o senhor Dom Casmurro, afinal, Capitolina traiu ou não o seu marido com o melhor amigo deste? Apesar de muita especulação, ficamos sempre na mesma esfera de conjecturas, tentando, miticamente, nos conectar a mente de Machado de Assis no intuito de desvendar a verdade a cerca desta questão. Na obra em questão, o senhor Bentinho, ou Dom Casmurro, quase suicida-se por alimentar a certeza da traição de sua tão amada esposa, baseado pura e simplesmente nos possíveis traços de semelhança de Ezequiel, nascido de Capitu como sendo seu filho, com os traços de Escobar, seu melhor amigo desde a época dos estudos no seminário. A ordem é não me alongar, mas como Dom Casmurro chegou até esta certeza? Será mesmo que foram as possíveis aparências do filho com o amigo que o levou a esta certeza? Acho que logo teremos alguém do O Leitor desenvolvendo este tema.

  • Edição especial para Suassuna

    Olá, caro leitor. Como tem sido comum nos últimos meses, a publicação mensal sempre é liberada até o 15º dia do mês, o que neste mês de junho aconteceu novamente. Nesta edição, orgulhosamente homenageamos nosso Patrono, o escritor dramaturgo e poeta Ariano Suassuna. Vale aqui lembrar que logo na fundação deste informativo, seus fundadores entre vários nomes excelentes para a inspiração ao projeto O Leitor, não se demoraram muito em eleger Ariano como Patrono, dando-lhe este título a fim de servir de guia e inspiração aos trabalhos exercidos pelo informativo literário O Leitor. Acesse a publicação na link www.oleitor.info/ultima-edicao/ .

  • Prêmio Microconto de Ouro

    Nosso colaborar Pedro Dóxil está participando do concurso literário "Microconto de Ouro", promovido pela Casa Brasileira de Livros. Com a permissão de Pedro, reproduzo abaixo o microconto com o qual esta concorrendo. O vilarejo para a sanidade Nas alamedas de um vilarejo esquecido pelo desenvolvimento tecnológico moderno, rodeado por frondosas montanhas enegrecidas pela mata selvagem e fechada, vislumbra o nascer do sol num dia de verão, o único jovem que não deseja sair desta estagnada cidadela. O motivo não é outro senão a sanidade. Pedro Dóxil

bottom of page